segunda-feira, 12 de junho de 2017

Ciranda negra

Entre o que de falsa palavra me inebria,de fato
é a inversão é da lei.
de encontro a tua convicção,equívoco paralelo.
Aqui não existe a brecha,tudo é permitido até o que não sabes.
E de palavras errôneas não existe o passe.
ela sabe onde anda.
ela vê o que ninguém vê.
Em um tempo que não se encontra,faz girar em tom de "peek a boo"
Nessa ciranda de luz negra.
Ela e o maestro.


Luciana Hatsu