sábado, 15 de abril de 2017

O silêncio reverente

De mãos de tua maior Honraria.
Permaneci em silêncio,dentro de meu templo.
Suposta conexão de outra esfera.
Recebida de bom grado,com a surpresa do inesperado,nada foi perdido,tudo foi transformado em uma forma diferente de se enxergar.
No que era teu,guardo dentro de outro quadro
Em outro lugar.
Difere a circunstância,estranho caminho.
Se vê ao longe em reverência do que foi em outra permanência.
Assim ela guarda,e de guarda,aguarda,a mentora traz o acalanto,como unguento uma anestesia um pedaço de tua feitoria no outro lado do éter.
Aqui vou aí até ti,esfolando a alma rasgando a carne,que não tem pudor,temor,horror


Luciana Hatsu.