domingo, 10 de setembro de 2017

Open the door

Em meio a confusão...
Ela perdida,caminhava despreparada.
Acertada como um animal e,como uma sangria da tua alma,esvaiu se,o sentimento.
Guardado,cicatriz,afogado...
Em tua memória mais remota,invadiu ...
A porta estava aberta.
Beba um pouco mais,lambuze sua fome ostensiva na dor...
Parabéns! temos uma bomba.
Ela é humana.
"O que seria um homem,se ele não tivesse nada para contar?"
"ele pode contar 1000 mentiras mas,sua lição ...aprendeu?
É apenas a natureza humana..."inside of me"


Luciana Hatsu

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Símbolo de sangue

Caminhando por ai chutando latas...
Sozinha no escuro,do céu avistei teu animal de grande prestígio.
Com aviso rasgando a noite Trevosa...
Era você passando pelo vento.
Doce símbolo.
Voando alto,asas enormes,remete tempo de outrora...
Você ficaria bem naquela roupa.
Breve adeus
Ela segue chutando latas.



Luciana Hatsu

domingo, 20 de agosto de 2017

Salsa Pagã

Música adversa...
se inicia o ritmo frenético.
Na busca do transe que revela segredos
de um outro que dorme dentro de outro.
Em vigília,observa em "sonho lúcido".
Oferecerei sangue de animais nédios em reverência
a nova realidade.
Mata a fome e de longe,quando partires, deixará a tua magia,adversa,borrando o que existe entre o"8 e o 80".
Um agrado macabro,por uma vida de louvores.
Enquanto essa dança diferente te faz um chamado...essa salsa...uma salsa pagã.
Observas a vida que se vai no olhar que se desmancha,devanesce,rasga a carne em troca da realidade vigiada.
Osana nas alturas?
Pah bah lah?
ToA ed ItrãNCoç?
A casa está em festa..
Enquanto danças essa salsa.
Salsa Pagã.
A casa tem o banheiro dentro do forno.
Reconhecendo esse toque,pelo que existe de mais primitivo e obscuro que a no olhar que te afaga e que te mata.
Essa é a Salsa Pagã.




Luciana Hatsu

sábado, 5 de agosto de 2017

Startman

E nesses dias estranhos...
a brisa suave e a presença fora do foco.
Ela se adorna com trajes de outro tempo.
Encontro adiado,eternizado em devaneio diário,necessário e infelizmente finda no término da redenção da carne.
Chamada intuitiva.
"Sei nulo".
Reconhecido ao longe,atrás de figuras absurdas,imagens distorcidas,quebra cabeça
sobrenatural.
Você pode ficar por esses dias ?
Ela beberá em comunhão com teus segredos.
Você pode ficar por esses dias?
O tempo que drena o sangue na contramão
da procura que detém o que admira.
Você pode ficar por esses dias?
Enquanto não atende essa chamada.
A tua parte mais rebelde,brinda em realidades
que vão e vem.
Você pode ficar por esses dias?



Luciana Hatsu.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Presente de Sangue

Na confusão da imagem distorcida
pela distância do tempo.
Revi em perspectiva todo esse que era de teu,rotina esquecida.
O sentimento traduzido em tua simbologia.
Guardei tua oferta em um outro tempo.
Foge a compreensão.
Assim se faz comunhão.
Sangue que não se perde.
Nela habita o pior e o melhor de ti.
Tua estimação estática,talhada decorada mas não é o que foi idealizado.
Tempo escasso.
Tempo levado.
Tempo ao tempo.
Tempo medido.
Tempo distorcido.
Esses tempos fora do tempo.



Luciana Hatsu


segunda-feira, 17 de julho de 2017

The Body

Corpo que desvia o olhar
corpo que deixa vazar a volúpia
de tua lascívia.
Corpo que em confusa sorte escalda o telhado.
em desespero do pensamento curioso
Invasivo.
Atordoa a mente,estranha interrogação.
Corpo que de santo tem  a tua primeira
em código profano.
Crachá indecente.
Corpo incandescente.
Ela tem o Diabo na carne.


Luciana Hatsu



sábado, 15 de julho de 2017

Virtual Exposed

Todas suas tristezas assistidas
jogadas em beats and bytes.
sentimentos compartilhados por um abraço
desenhado.
um refúgio pixelado.
meio introvertido,as vezes permitido outrora invadido.
a busca da aprovação em tese,presente.
tempo moderno.
amores,sabores,texturas,a alma virada do avesso atrás do monitor.
sentimentos curtidos,nunca tocados.
esse é o diva moderno.
o sistema que de vez foi acariciado.
agora se estende pela fibra que chega de um modo diferente,esses dados cheios de segredos.
esse é o diva moderno.



Luciana Hatsu.