sexta-feira, 12 de maio de 2017

Arco íris de sombras

Teu olhar perdido,sem a mínima suposta orientação.
ao longe,parecia buscar um alento...
Uma ajuda de outro que se julga um passo
a tua frente.
Que de tua distância não reconhece todo esse
fardo que te fez outra,não pequena mas,maior do que aquele que te vislumbra com estranheza.
Te oferece um pedaço de carne como direção.
o que te oferta,é o que precisa?
onde fica a tua escola?
mostre o teu mais secreto truque,para que contigo de igual em tua música escura,trevosa
possa comungar de tua absurda habilidade.
Não existe insanidade nesse lado,é fato como lidas com essa desgraçada sina.
Mas,realmente o arco íris se faz primordial no sorriso de quem o vê?
Pega em meu braço e me conduz pela tua treva me abre as tuas portas,venda me com tua sabedoria em troca de dou uma palavra,uma revelação de outro prisma,que de toda a ignorância tenta te explicar o pelo que lembra o ouro e a delicadeza de tua face.
E essa é a única barganha pobre que tenho a te oferecer,em troca de um pouco dessa magia.
Nesse Trevoso mundo,que transita e se choca com esse arco íris.



Luciana Hatsu

terça-feira, 25 de abril de 2017

Abismo

De tanto que foste dado,perdido em teu afago
Houve a perda.
De tantas maneiras de demonstrar a irreal consequência do ato de estar em lado a tua.
Entrou em desalinho...
Conflitando com tua ambição que dela não havia a vontade da resistência de outra moradia.
E de retalhos entre desejos e vontades e moradas que de dela não eram,apenas habitavam corredores de outrora.
E nessa morte lenta rasgando a carne e sangue que legitimava a tua distância,em teu abismo ela se atirou,e de lá ela fugiu e sem exitar,invadiu a veste de outra e assim sem intervalos ela sucumbe ao tempo e de outra em outra deixa um pouco de sua que já não é mais ...
Dentre tantas ela e muitas e de muitas se fez uma e de uma em uma...congela tua existência.


Luciana Hatsu.

sábado, 15 de abril de 2017

O silêncio reverente

De mãos de tua maior Honraria.
Permaneci em silêncio,dentro de meu templo.
Suposta conexão de outra esfera.
Recebida de bom grado,com a surpresa do inesperado,nada foi perdido,tudo foi transformado em uma forma diferente de se enxergar.
No que era teu,guardo dentro de outro quadro
Em outro lugar.
Difere a circunstância,estranho caminho.
Se vê ao longe em reverência do que foi em outra permanência.
Assim ela guarda,e de guarda,aguarda,a mentora traz o acalanto,como unguento uma anestesia um pedaço de tua feitoria no outro lado do éter.
Aqui vou aí até ti,esfolando a alma rasgando a carne,que não tem pudor,temor,horror


Luciana Hatsu.

segunda-feira, 20 de março de 2017

Time

Perdida na curvatura Absurdamente
equivocada,fora de contexto,seus amigos,vão e vem,com novos rostos
Outras sintonias,de diversas línguas
Sem qualquer conexão,revê e revê
Sempre,sem parar,o tempo... Sua própria cilada,com várias entradas e saídas e labirintos,um dia,ouro outro prata outro ébano,surpresa de pandora...
O tempo.
Estranho mistério.
Grandes novidades "all the time".
Ontem flores adornavam seus cabelos que brotavam de sua "cabeça colorida"
Hoje ela fala com você via satélite.
A vida se refaz,vai e vem.
dance...
Charlestrom diferente.
In is out and,out is lost.
She's is new fary,the fake vary.
Nas estranhas partículas de particularidades.


Luciana Hatsu



domingo, 12 de março de 2017

Acordo Profano

Fiz um acordo inverso.
Que reverso de seu seria.
A perfeição buscada.
É a perfeição dada como um fardo.
Um agrado endiabrado.
Presente profano.
E seus,foram caindo.
E outros surgindo.
E assim esse acordo...
Se refaz,de outra em outra.
O acordo inverso,do pedido selado,lacrado,insâno,repetido,impedindo a transição,não existe redenção aqui, o outro envolto de outro,sem apresentação,entra no templo e lá deixa um presente.
Presente inverso,sem nexo,sem reflexão.
Eu sei os seus segredos.
E não se faz a objeção.
Nesse acordo endiabrado.




Luciana Hatsu.

domingo, 5 de março de 2017

Profana Beleza

Vultos estranhos  deferem a reverência.
Profana que envolta em cerimônia, reconhece o que é de toda,à esse revés.
Ela segue,desfila entre o éter e o sagrado
Não e de seu a entrega.
Ela vai,ela vem,ela volta...
Ela entra e saí.
Ela e linda.
Desfilando entre essas estranhas realidades
Profanas,absurdas, inaceitáveis, inegáveis.
Nesse "tobogã" de realidades.


Luciana Hatsu.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Magia reversa

Em desapego a preservação...
Subo e adentro mundos que de meu,não são de propriedade.
Encontrei ao longe,junto dos teus,que conheço de um tempo onde,não se fazia noção de tempo.
Reconhecimento imediato.
Presa no outro plano,em contato com tuas vestes,me remeteu a outra época.
Vultos ao fundo...
Estranhos símbolos.
Magia reversa.
Na festa da tua entourage envolta no éter.
Ali bem perto do que foi em outro déjà vu.
Me arrebata.
Me arrebenta.
Me acolhe.
Tua face,revelada em penumbra.
Na festa da magia reversa.



Luciana Hatsu.